Iporá, 4.1 graus – Bem amigos vilanovenses, cá estamos nós, prontos para a zoeira. The zoeira never ends. Porque futebol sem zoação não é futebol. É bocha. Ou golfe. Ou qualquer-outro-esporte-chato tipo vôlei. Zoar faz parte, galera, mas tudo dentro do limite e mantendo o respeito, que é bom e todo mundo gosta.

Mas vamos falar do que interessa. Não lembro o ano – e nem vou lembrar porque minha memória é fraca, que conheci o canalha mais gente boa do mundo, Elder Dias, o dono desse boteco aqui. Lembro apenas que foi no ano que o time-que-não-falo-o-nome chegou à final da Sul Americana.

Na época, escrevi um texto ironizando jogadores-torcida-diretoria do time verde apesar do título dar a entender que eu tinha virado folha – era algo como “Vou torcer para o time verde na Sul Americana”. E o canalha-mor do Elder Dias postou em seu Blog Esmeraldino ávido por linchar um vilanovense em praça pública.

Lá estava, infiltrado em território inimigo, um texto de um vilanovense ironizando esse mesmo inimigo e o inimigo…tecendo loas. A torcida do time-que-não-falo-o-nome não entendeu a ironia. Melhor assim.

Depois disso, e não me lembro como, começamos a nos falar virtualmente. Sempre debatendo, discordando, concordando, trocando ideias, zoando…mas mantendo o respeito mútuo. Me convidou algumas vezes para escrever em sua coluna no Jornal Opção e sempre atendi aos pedidos de bate-pronto. Não há como negar um pedido desse cara. Elder é um dos caras mais inteligentes que conheço, de uma sagacidade invejável e de um generoso coração. Então nada mais natural do que aceitar mais esse convite, o de escrever sobre meu time do coração no Estádio das Coisas.

Pena que torça para o time errado.

Mas ainda há tempo, Eldão. Você seria muito bem-vindo do lado de cá.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Anderson Milhomem
Anderson Milhomem, 47 anos, publicitário, diretor de arte que tem o design como inspiração, a escrita como paixão e o Vila Nova como religião. Deus no céu e Bé na terra. Amém. @anderson_milhomem