#Copa do Mundo da Rússia – 2018 – Dia 6 #

Fica. Como “primeira impressão”, nada mais do que isso. Tem uma frase muito boa, que diz que você só tem UMA oportunidade de causar uma boa PRIMEIRA IMPRESSÃO. Isso é verdade, mas tem utilidade maior com aquelas pessoas que são experts em causar péssimas primeiras impressões.

E segundas, terceiras, quartas impressões…

Ou seja, é um toque maneiro para aquela pessoa que precisa dar uma mudada no estilo de vida, no jeito de andar, no cabelo etc…

E quase todo mundo sai dessa 1ª rodada na fase de grupos da Copa da Rússia precisando mudar alguma coisa.

CR7 silencio 300x161 - Rússia 2018, dia 06: a primeira impressão é a que...
O “Exército Luso de um Homem Só” da seleção portuguesa: boa lembrança da primeira rodada | Divulgação

Salvaram-se: Bélgica, França, Uruguai e Inglaterra, que venceram e fizeram bem-feito a lição de casa. Portugal e Espanha, que empataram entre si, também causaram boa impressão, principalmente o Exército Luso de Um Homem Só. São times que passaram com louvor pelo teste da estreia.

Decepcionaram: Argentina e Alemanha. Cada qual a seu modo, fez com que uma luz amarela foi acesa para que realizem alguma correção de rota meio urgente, a tempo de seguirem dando esperanças à sua torcida nesse mundial.

E o Brasil? Bom, o Brasil não costuma estrear muito bem e vai se acertando, a questão é que, como desde 82 pelo menos vencia, os problemas não ficavam tão evidentes. Há muito o que testar, mexer e tentar. Dá pra variar. Pra inverter e até pra botar pra jogar juntos quem sai para um outro entrar. E dá, principalmente, para convencer o Neymar a ser o que era no Barcelona, até porque também tem muita gente de qualidade junto com ele.

Existem muitas coisas que fazem um time ser campeão, a principal delas é a maneira como o técnico transforma um bando em um time. O Tite parecia ter conseguido isso. E é bom devolver essa impressão, para ter apagado a da estreia, que parece ser a turma de pagode dos parças do Neymar.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Randall Neto
Randall tem 45 anos, é brasileiro sem orgulho nem preconceito, com algum amor, sim senhor. Tem dois filhos, torce pela Argentina e ainda acha que dá pra empatar o jogo contra a Itália de 82. Escreve sobre Copas do Mundo desde 2002.