# Copa do Mundo da Rússia – 2018 – Dia 05 #

Quando narrava as partidas de vôlei do Brasil, o Luciano do Valle costumava analisar o mesmo lance sob dois prismas:

1) Gringos nos atacam, a bola bate no nosso bloqueio e vai pra fora:
— Quaaaaaase pegamos o ataque deles, tá muito bem o nosso bloqueio hoje!

2) Brasil ataca os gringos, a bola bate no bloqueio deles e vai pra fora:
— Exploramos muito bem o bloqueio, bela jogada do Brasil, muito inteligente!

Costumava ser assim nas estreias dos ditos “grandes” em Copa do Mundo:

1) Vitória magra de Argentina/ Alemanha/ Itália/ Holanda/ Espanha/ Inglaterra:
— Vencer, até que venceram, mas não convenceram ninguém, esperava muito mais da (insira aqui sua favoritaça em questão).

Luciano do Valle Brasil 533x300 - Rússia 2018, dia 05: vencer e convencer
Luciano do Valle, o precursor de Galvão Bueno no pachequismo radical | Reprodução de vídeo

2) Vitória magra do Brasil:
— O importante são os três pontos, amigo, é o nervosismo da estreia, é um monte de coisa, é o sol em conjunção com vênus e marte na casa do caralho, vencemos e começamos com o pé direito o caminho para o Hexa!

Pois bem, o que dizer dessa Copa de 2018, onde os favoritões não chegaram sequer a vencer… Que dirá, então, convencer?

Brasil, Alemanha e Argentina, grandes decepções! Alemanha perdeu, mas jogou contra um adversário melhor. Brasil empatou, mas a Argentina jogou contra uma seleção que é amadora – e não importa que a Islândia tenha feito uma bela Euro e uma excelente campanha nas Eliminatórias. Mas ok, não é fácil justificar um empate contra a Islândia, ainda mais perdendo pênalti.

Sim, a França, Inglaterra e Bélgica venceram, as duas primeiras “no pau da viola” e a Bélgica com facilidade proporcional ao adversário, inocente e estreante em Copas. Sim, a Bélgica tem um bom time e deve chegar, com garbo e elegância até as quartas-de-final, quando deverá ser eliminada. De acordo com as previsões, pelo Brasil.

Mas e aí, o que esperar desta Copa?

Que o Brasil e a Alemanha têm como evoluir. Que Espanha e Portugal estrearam muito bem e vão ter molezinhas nessa 1ª fase. Que não dá pra saber o que vem pelos lados da Argentina. E que ninguém tá falando que Uruguai e Portugal têm chances de brigar pelo título, acho bom abrir os olhos com esses dois bons times.

E o que esperar do Brasil? Que o Tite não incorra no mesmo erro do Telê em 82, quando passou dois anos de um jeito e chegou na Copa, se viu tentado a fazer outras coisas. Talvez a perda do Renataugusto, não pelo que joga, mas pelo papel tático que desempenha, tenha dado pane mental no Tite. Mas ele precisa acertar a capacidade do time jogar dos dois lados do campo e impor mais seu jogo. Quanto à individualidade excessiva do Neymar, não sei se cabe a ele dar jeito, ou mesmo se ele acha que isso é um problema. Mas, quanto mais o Neymar prender a bola, mais fácil fica anular as jogadas de ataque do Brasil.

E ainda preciso entender melhor o que o Marquinhos fez de errado pra perder a posição para o rapaz que chora, mas acho que a estreia do Brasil só parece tão ruim se colocada ao lado da expectativa que se criou. E eu também acho que uma estreia titubeante pode servir para tirar ótimas reflexões para o futuro da competição.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Randall Neto
Randall tem 45 anos, é brasileiro sem orgulho nem preconceito, com algum amor, sim senhor. Tem dois filhos, torce pela Argentina e ainda acha que dá pra empatar o jogo contra a Itália de 82. Escreve sobre Copas do Mundo desde 2002.