Um texto em cima da hora para não deixar passar em branco uma ocasião similar à deste confronto de logo mais: semifinal da Copa Sul-Americana de 2010, estádio do Pacaembu, algum dia de meio de semana de novembro de 2010.

Eram decorridos – como gostam de falar os narradores esportivos old school nas transmissões de rádio – 36 minutos do segundo tempo daquele Palmeiras x Goiás. Ernando, aos 41 segundos daquele minuto, fazia o segundo gol do Verdão de cá, que levaria, como levou, o futebol do Cerrado a sua primeira final sul-americana na história.

Como agora, quando o objetivo é tentar chegar à Libertadores, aquelas eram também condições adversas. Os palestrinos haviam vencido o primeiro jogo, no Serra Dourada, por 1 a 0 e, diante de um Goiás já rebaixado para a Série B de 2011, pareciam se preocupar mais com a decisão da Sula.

O resto do conto a gente já sabe.

O enredo desta vez é bem mais complicado, até porque mesmo uma vitória nesta quinta-feira não adiantará nada se não vencer de novo no domingo e se, ainda, o Inter também ganhar seu jogo no Beira-Rio, contra o Atlético Mineiro.

Porém, ah porém… primeiramente, é importante ressaltar certas coisas: estamos na briga pela vaga a duas rodadas do fim do campeonato, o que, diante de um ano em que o Goiás não ganhou nada e ainda deu vexames nas copas que disputou, já é um feito.

Segundamente, basta dar uma percorrida pelo noticiário sobre o Palmeiras para perceber que, com mais dois jogos pela frente, o ambiente já é de férias. O treinador será Andrey Lopes, funcionário do clube, e vários titulares não jogarão, por contusão, suspensão ou dispensa para adiantar tratamentos e negociações.

O fato de o jogo das 19h15, ser em Campinas (SP), no Brinco de Ouro da Princesa – aliás, que nome bonito para um estádio – é um terceiro fator que pode ajudar o Verde daqui. O aproveitamento dos atletas palmeirenses fora de sua arena particular, ainda que tenha o mando de campo, não tem sido lá essas coisas.

Isso sem contar que o Goiás tem um bom histórico de conquistas naquele mesmo estádio: foi lá que Luvanor apareceu para o Brasil com um golaço contra o Guarani, levando o Goiás para os playoffs do Brasileiro de 1983; foi também lá que o Verdão chegou às semifinais do Brasileiro em 1996, eliminando o Bugre.

No fim, a máxima continua: como em 2010, sonhar não custa nada. Rafael Moura, o He Man, esteve lá e pode dizer aos colegas de vestiário.

LINCOLNEANAS

 * * * * *  A derrota para o Fortaleza foi uma enorme ducha de água fria. Quando o Goiás resolveu jogar bola, já estava 2 a 0 para os cearenses, que acabaram por merecer a vitória. De parabéns, novamente, a torcida esmeraldina, que levou quase 30 mil, teve de ter paciência para superar a falta de organização/estrutura e entrar no Serra Dourada e, ao fim, ainda aplaudiu o time, apesar do revés.

 * * * * *  Michael gosta de jogos grandes. É uma ótima qualidade para um atleta, ainda mais em ascensão. Pena que esteja levando tantos cartões amarelos desnecessários e vá fazer falta diante do Palmeiras. A imprensa às vezes realmente fala muita besteira, mas o camisa 11 precisa pensar mesmo em ser menos esquentadinho – e também deixar de simular tanto.

 * * * * *  Gostaria que Ney Franco testasse Kaio como titular numa partida como a desta noite. No elenco do Goiás, é o nome cujo futebol mais se aproxima do que faz Michael em campo.

 * * * * *  Quem quiser rever os gols do jogo histórico contra o Palmeiras na semifinal da Sul-Americana de 2010, clique aqui.


COMENTÁRIOS




Elder Dias
Jornalista, servidor federal, ambientalista e esmeraldino por natureza. Buscando sempre aliar paciência de Jó com perseverança de Cafu.