Que nem o torcedor esmeraldino nem qualquer outro leitor deste texto tenham uma ideia errada sobre o título dele ou sobre o que será escrito nos próximos parágrafos. Não há nada de arrogância, conforme explico abaixo, e espero que possam entender ser apenas uma constatação do que vem ocorrendo já há algum tempo.

O Goiás está se estabilizando entre os primeiros colocados da Série B somente agora por conta de um início desastroso na competição, consequência de um planejamento totalmente equivocado para a temporada, cuja fato principal foi a manutenção da comissão técnica que terminara 2017.

Hélio dos Anjos e seu staff tinham cumprido a tarefa de salvar o clube de um vexaminoso rebaixamento, mas era para ser só isso. Missão dada, missão cumprida e pronto.

Este ano o projeto teria de ser começar do zero, mas, para fechar seu retorno à Serrinha, o treinador havia colocado como condição a permanência para 2018. Algo que os dirigentes não deveriam ter aceitado. Acabou dando no que deu.

O fato é que, ainda com Hélio, chegaram bons nomes – como o goleiro Marcos, o lateral Alex Silva e o atacante Lucão, entre outros –, mas que não mostravam sua qualidade por conta da falta de padrão de jogo, algo que o técnico infelizmente não teve capacidade para sanar.

O título goiano foi apenas mais um – ainda que mais um tetra – e serviu como a cereja nesse bolo para camuflar a má preparação. Iniciamos a Série B muito mal e tivemos de recomeçar após um resultado trágico, mas previsível, contra o Vila Nova. O 3 a 1 do primeiro turno e a lanterna da competição fizeram enfim a diretoria acordar e, por sorte (o acaso insiste em ajudar o Goiás através dos anos), acharam Ney Franco.

Goias x Fortaleza 405x300 - O jogo é com o Guarani, mas a disputa precisa ser com o Fortaleza
Vitória inconteste sobre o Fortaleza foi a prova definitiva do potencial do Goiás | Rosiron Rodrigues/Goiás EC

Desde então até agora, o Goiás passou a ter aproveitamento de campeão. Pode parecer estranho, mas a coisa é tão flagrantemente verdadeira que, embora muita gente analise apenas as dez últimas rodadas, o fato é que desde o anúncio do novo treinador o Goiás fez 20 partidas na Série B e seria hoje o líder da competição, se a pontuação fosse contada a partir da 5ª rodada do 1º turno (e estou jogando na conta dele, ainda que indevidamente, a derrota para o Fortaleza antes da qual não teve nem como realizar nenhum treinamento).

Junte-se o melhor aproveitamento da competição desde que passou a levá-la a sério à incontestável vitória sobre o Fortaleza, aquele que está disparado na frente, e temos uma equipe que chega muito empoderada – para dizer um termo da moda – a esta terça-feira para enfrentar o Guarani em Campinas (SP), às 19h15.

Podemos esperar uma partida bastante movimentada, talvez com características semelhantes ao confronto com o Figueirense, duas semanas atrás. O Bugre é um time que joga e deixa jogar, portanto deverão ser 90 minutos gostosos de assistir, com chances para ambos os lados.

Novamente com o time completo, o Verdão precisará tomar cuidados defensivos, já que o adversário tem o 4º melhor ataque da competição, com 33 gols marcados – um a menos que o Goiás e o Atlético e quatro a menos que o Fortaleza.

E qual o objetivo do Goiás na partida? Um empate estará longe de ser um mau resultado, mas é necessário buscar a vitória.

Como foi dito acima, a meta passa a ser chegar ao título, até para não entrar numa zona de conforto perigosa dentro desta escorregadia Série B. Esta é a missão do Maior do Centro-Oeste a partir de agora no campeonato: pensar alto, não por arrogância, mas por determinação, por orgulho, por honra à camisa.

LINCOLNEANAS

 * * * * *  Muito bonita a reação da torcida após a falha de Marcos no gol do Fortaleza. Após um pequeno grupo ensaiar uma vaia, o estádio inteiro gritou o nome do jogador. Isso é essencial para a recuperação da confiança após um lance infeliz daqueles. Isso é ser torcedor de verdade.

 * * * * *  Vendo Rafinha jogando contra o Fortaleza, fica o questionamento: o que teria querido fazer Ney Franco ao colocar Felipe Gedoz contra o Vila, mudando o afinado esquema de jogo da equipe?

 * * * * *  É muito animador ver mais jogadores marcando gols, ainda mais sem serem atacantes, como foi o caso de sábado. Victor Ramos e Ernandes mostraram que o Goiás não depende só de Lucão, Giovanni e Michael para balançar as redes.

 * * * * *  Na contramão do que o torcedor pensa, novamente Hailé Pinheiro faz uma declaração que apequena o Goiás. Se não for para disputar o título de qualquer competição em que estiver, enquanto tiver condições para isso (e hoje elas são plenas), melhor nem subir para a Série A. Eu quero o tri brasileiro sim, porque é o que temos para o momento!

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Elder Dias
Jornalista, servidor federal, ambientalista e esmeraldino por natureza. Buscando sempre aliar paciência de Jó com perseverança de Cafu.