Todos os que, como nós, acompanham o futebol goiano sabem das limitações de nossos times. Agora, nas competições nacionais, elas ficam realçadas.

O Goiás que está aí tem como único objetivo não voltar para a Série B e os mais sensatos entre nós sabem que estar agora na parte de cima da tabela é algo ilusório, se analisado o perfil técnico de cada time na disputa.

Mas quem acompanhou o Goiás desde a 1ª rodada do Brasileiro se surpreendeu positivamente com o desempenho em vários jogos: contra o Fluminense foi um jogo à parte pela chuva, queda de energia etc. Mas, independentemente do resultado, o time foi bem contra forças como São Paulo, Cruzeiro, Botafogo, Athletico.

Então, à parte o trágico e atípico Maracanazo do 6 a 1, em qual outro jogo o Goiás se mostrou surpreendentemente negativo? Você acertou se pensou na derrota para o CSA em Maceió, por 1 a 0.

Ocorre que neste domingo, contra o Avaí, a apatia da equipe superou qualquer nível. Quem assistiu a partida pôde observar que a vitória esteve ao alcance o tempo todo, tal a fragilidade do rival, mas o Goiás jamais quis pelo menos tentar ganhar o jogo.

Quem quer o resultado corre atrás da bola, entra na disputa por ela. Não fica rolando no chão após uma falta simples, para ganhar tempo, nem retarda ao máximo a cobrança de um tiro de meta.

AvaXGoi Sofa 300x161 - O Avaí pediu para perder, mas o professor Claudinei só queria empatar
Gráfico mostra que o frágil Avaí teve mais intensidade que o Goiás durante o jogo | SofaScore

Acima de tudo, quem quer ganhar mostra intensidade para isso, seja sendo agudo quando tem a posse de bola, seja pressionando a saída de jogo do adversário. E o Avaí mostrava visivelmente que cederia fácil se houvesse uma maior atitude.

Só que, nos mais de 90 minutos de jogo na Ressacada, em nenhum momento o Goiás demonstrou qualquer maior apetite. Onde estava a fome de bola? Um desafio que este Blog faz: rever a partida e encontrar um único momento de abafa dos atacantes esmeraldinos no que modernamente é chamado “último terço” do campo.

Ao contrário, no fim da partida o Goiás inacreditavelmente se pôs a reter a bola e fazer cera!

A coisa foi bem clara: depois do desastre contra o Flamengo, quando optou por não mudar a escalação e sofreu a goleada, Claudinei morreu de medo de perder o jogo e entrou determinado a buscar o empate e nada mais do que isso.

Uma pena. Talvez tenha sido o jogo mais tranquilo para buscar os três pontos. Uma vitória daria uma mágica 5ª colocação já na 11ª rodada da Série A! E com um jogo a mais para fazer!

Agora a sequência pode cobrar caro: Atlético Mineiro em casa, Santos e Corinthians fora. Um convite claro a descer para a parte de baixo da tabela.

É a frase mais sábia do pofexô Vanderlei Luxemburgo (que, aliás, venceu com o Vasco o clássico com o Fluminense): “O medo de perder tira a vontade de ganhar.”

Três pontos contra o Avaí eram mais reais do que um único ponto contra o Flamengo. Lamentável ver tanta falta de coragem em campo. É assim que querem conquistar a confiança da torcida?

LINCOLNEANAS

 * * * * *  Foi o primeiro empate do Goiás desde março, quando, no dia 10, foi a Ipameri e voltou de lá com o 1 a 1 com o Novo Horizonte.

 * * * * *  Mesmo em um jogo sofrível, Tadeu foi o recordista de pontuação do Cartola FC na rodada. O fantasy game marcou 16,70 pontos ao goleiro esmeraldino.

 * * * * *  Nova contratação do clube: volante Jean Carlos, de 26 anos, que estava no Manaus (AM), jogando a Série D. Curiosidade 1: segundo informação, vem para reforçar os aspirantes. Curiosidade 2: ele anteriormente atuou pelo Sobradinho (DF), clube do qual o diretor de futebol Túlio Lustosa chegou a ser presidente.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Elder Dias
Jornalista, servidor federal, ambientalista e esmeraldino por natureza. Buscando sempre aliar paciência de Jó com perseverança de Cafu.