Elder Dias

Na coluna anterior deste Blog, eu disse que o ano começava “agora” para o Goiás.

Incrível como é a dinâmica da pandemia: depois de toda a bagunça de domingo, agora, neste quarta-feira, 12/8, diante do Athletico, às 19h15, na Arena da Baixada, não sabemos quando começará o ano do Goiás.

Um campeonato que não deveria ter se iniciado segue rumo à 2ª rodada, com delegações viajando Brasil adentro e afora, correndo risco de contaminarem e serem contaminadas nos ônibus, aviões, hotéis e aeroportos por onde passarem.

Só que, ao contrário de outras atividades, futebol não é essencial. Ninguém morre se ficar sem jogos ao vivo nas noites de quarta ou tardes de domingo. Pior: na atual situação, alguém morre (ou pode morrer, independentemente de idade), batendo perna por aí!

(continua após a publicidade)

O melhor seria a CBF fazer uma autocrítica e parar tudo. Os protocolos de segurança foram elaborados pelas Organizações Tabajara e já se provaram totalmente vulneráveis, mesmo com sua reformulação após o escândalo da Serrinha.

Enquanto não há isso (e duvido que haja), o Goiás Esporte Clube continuará sendo, entre os 20 da Série A, o clube mais prejudicado.

Já tendo suas limitações naturais de elenco e de finanças, entra o fator covid para desmontar um elenco por várias rodadas. Pensando na luta contra o rebaixamento, a tendência é de que tenhamos aqui um desafio muito maior a partir de agora.

De qualquer forma, como a vida vai seguir e os jogos também, vamos ver como os jogadores alviverdes reagirão em campo.

Depois de atingido em cheio com os exames positivos para covid-19, Ney Franco obrigatoriamente entrará em campo com um time misto e um banco de reservas totalmente inexperiente.

A esperança que há é a de os jogadores entrarem em campo com disposição redobrada para honrarem a camisa e homenagearem os colegas afastados. Do outro lado, esperar um Athletico jogando sem forçar muito a barra.

Um empate hoje é vitória. E vitória é milagre dos grandes.

(continua após a publicidade)

LINCOLNEANAS

 * * * * *  Rafael Moura tem me surpreendido pela maturidade e pela liderança demonstrada, principalmente diante do momento difícil que temos vivido. A resposta perfeita com que replicou a mensagem de Daniel Alves após o jogo é apenas um dos exemplos disso.

 * * * * *  Desfalques do Verdão para a partida desta quarta-feira, segundo o próprio He-Man: além dele mesmo, a covid-19 tirou da partida também o goleiro Tadeu, o zagueiro Deivid Duarte, os laterais Jefferson, os meias Ratinho, Gilberto e Sandro e os atacantes Keko e Lucão. Oremos.

 * * * * *  Em circunstâncias normais, é muito difícil para qualquer time vencer o Athletico na Arena da Baixada. Em circunstâncias normais, é muito mais difícil para o Goiás fazer isso. O que esperar, então, do Goiás em Curitiba jogando com time misto e em circunstâncias atípicas? Bom, não dá para ter grandes expectativas. Só que isso é futebol, meus caros.

 * * * * *  Em tempo: o jogo não terá transmissão, nem pela TV aberta nem por canais por assinatura.


COMENTÁRIOS




Elder Dias
Jornalista, servidor federal, ambientalista e esmeraldino por natureza. Buscando sempre aliar paciência de Jó com perseverança de Cafu.