Seis jogos no Goianão, 100% de aproveitamento, apenas um gol sofrido e classificação garantida para os playoffs.

Mais do que isso, tem jogo decisivo logo ali, na quinta-feira, já pela 2ª fase da Copa do Brasil, contra o CRB (anote aí, esmeraldino/a, na Serrinha, às 21h30).

Além de tudo, o fim de semana de tempo chuvoso torna o gramado mais suscetível a provocar contusões. Por tudo isso, o Verdão banca o risco da perda dos primeiros pontos no Estadual.

Está mesmo na hora de o treinador Maurício Barbieri obter respostas sobre algumas dúvidas que talvez até ele próprio tenha:

  • Como o Goiás se portaria com um time totalmente reserva?
  • Leandro Barcia, que atua no mesmo espaço de campo que Michael, poderia jogar junto com ele, como falso 9?
  • Léo Sena pode ocupar um lugar um pouco mais à frente, com dois volantes mais pesados na retaguarda?
  • Como estaria hoje Marcos para substituir Sidão?

Nem todas as perguntas vão ser respondidas hoje. Mas a maior de todas as dúvidas é saber em que nível se encontra a necessidade do Goiás em ter Michael jogando para fazer os resultados. Sim, a michaeldependência é uma realidade, só não sabemos o quanto.

Até agora, no Campeonato Goiano, o artilheiro e destaque do time não teve participação, de alguma forma, em apenas em três gols. E, nas vezes em que não começou jogando, o time não ganhava até que ele entrasse em campo.

Ele e Léo Sena têm sido os grandes construtores/executores dos gols esmeraldinos. Por isso, é preciso forçar o restante do grupo a tomar esse papel. E a hora é essa, no Goianão, com a classificação já assegurada.

Hoje, contra o Goiânia, às 17 horas na Serrinha, seria mesmo (como será) o momento de pôr outro grupo para cuidar desses 100% de aproveitamento no Estadual. O Goiás titular precisa se concentrar no CRB. O dinheiro que vai ajudar a construir a Arena da Serrinha está é na Copa do Brasil.

LINCOLNEANAS

* * * * *  Aliás, sobre a Arena da Serrinha, aprovada pela cúpula do clube, vamos falar em um próximo texto. Mas, pelo menos nas ilustrações, o projeto é bem animador.

* * * * *  A torcida – pelo menos uma parte dela – ficou um tanto decepcionada com o desempenho em ritmo baixo do Goiás contra o Sergipe. Ainda assim, foi um 2 a 0 com direito a três bolas na trave. Será mesmo que não está bom? Oscilação mantendo vitórias em todos os jogos não é coisa para qualquer time.

* * * * *  Em um jogo sem um grande destaque no time, contra o Sergipe a Bola de Esmeralda vai para Léo Sena, pelo conjunto da obra até aqui. Talento não é nada sem esforço, e como é bom ver um talento se esforçando.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Elder Dias
Jornalista, servidor federal, ambientalista e esmeraldino por natureza. Buscando sempre aliar paciência de Jó com perseverança de Cafu.