“Ajudar o Corinthians? Vá lá ainda, é o Corinthians… Ajudar a Chapecoense que está caindo pelas tabelas? Se o avião da Chapecoense caiu, o Goiás não foi culpado disso. Tem que acertar é com quem derrubou o avião, não fomos nós não” (Hailé Pinheiro, presidente do conselho deliberativo do Goiás EC)

O desastre da declaração do maior dirigente da história do Goiás – dada à Rádio Bandeirantes 820 AM após o jogo de domingo – poderia ser considerado apenas uma infelicidade, um desabafo de alguém que chegou a uma idade que, em tese, lhe permitiria falar o que lhe desse na telha.

Mas a coleção de “pérolas” de Hailé Pinheiro é extensa demais para que seja absolvido por questão de faixa etária. Ele sempre foi assim.

Quem não se lembra de, em plena luta pelo G-4 em 2013, aquele brochante discurso de que “Libertadores dá prejuízo”? Ou das exaltações à torcida rival, como em 2015 (não foi uma vez só, diga-se), para provocar os esmeraldinos? E falando em “chupar uva roxa” após o jogo de ida pela Copa do Brasil de 2008, frente ao Corinthians – referência à cor da camisa especial do adversário?

A quantidade de polêmicas desnecessárias do chefão da Serrinha é grande o suficiente para enchermos todos os parágrafos do post, mas vamos ficar só com a amostragem acima.

Ao ligar o claro prejuízo sofrido com a arbitragem no jogo à um suposto favorecimento ao time catarinense, HP deu um coice de alcance nacional.

Usar o episódio mais trágico da histórica do futebol brasileiro (como diz acertadamente a carta aberta da Chapecoense) por conta de erro de arbitragem é coisa de quem tem um pensamento pequeno e mesquinho.

Ah sim, claro, tem gente dizendo que a Chape está com mimimi – expressão irritante de quem não tem estofo para contra-argumentar algo contrário a seu próprio posicionamento.

A essas pessoas, eu deixo só um ponto para reflexão: seria plausível, então, ligar a atuação medonha do árbitro pernambucano Gilberto Rodrigues Castro Júnior a um favorecimento da equipe catarinense visando sua permanência na Série A porque o avião da Chape caiu? Faz algum sentido achar que um acidente aéreo em 2016 daria imunidade ao rebaixamento?

A coisa fica mais sem sentido ainda com a lembrança de que Alan Ruschel, sobrevivente da tragédia do voo para Medellín, é hoje jogador do Goiás. E não é que Ruschel também foi vítima da língua de HP?

O Goiás não tem a grana de Flamengo ou Palmeiras. Não tem a fama do Corinthians nem a sala de troféus do Grêmio. Para ser notado com algum diferencial nacionalmente, tem apenas sua imagem a mostrar. O que menos precisa é se passar por um clube antipático por conta das declarações de um indivíduo que há algumas décadas já deveria estar recebendo homenagens como dirigente emérito do clube.

Bahia x Ceará óleo - A língua de Hailé Pinheiro e o voo da Chape: uma tragédia falando da outra
Bahia e Ceará juntos em solidariedade ao meio ambiente e às praias do Nordeste | Divulgação

Enquanto isso…

O Esporte Clube Bahia segue o rumo oposto do discurso mesquinho: vai se afirmando além das quatro linhas, atraindo mídia positiva, sendo notícia em todo o Brasil por alertar para pautas sociais importantes e apartidárias.

Segunda-feira, no jogo contra o Ceará, o uniforme tricolor estava borrado por manchas pretas, uma alusão ao óleo preto que tomou conta das praias nordestinas. Os jogadores cearenses entraram de luvas pretas, pelo mesmo motivo.

Não é só futebol. Entenda isso, Hailé (palavras em vão). Entendam isso, serrinhistas. Nem dói.

LINCOLNEANAS

 * * * * *  Falando agora sobre o que deveria ter sido o tema principal do artigo, foi um belo jogo de recuperação do Goiás depois de ser novamente e altamente prejudicado pelo homem do apito. Não dá para ficar quieto, precisa gritar isso, precisa espernear. Só precisa fazer do jeito certo.

 * * * * *  Frente ao CAP, o retorno do ataque titular e também de Gilberto no meio é notícia muito boa. Pena é que Michael continua pendurado com dois cartões amarelos após ter recebido vermelho direto contra o Corinthians.

 * * * * *  Rafael Vaz deu a volta por cima de todos os erros do início do campeonato. Além do golaço, está jogando muita bola, sim.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Elder Dias
Jornalista, servidor federal, ambientalista e esmeraldino por natureza. Buscando sempre aliar paciência de Jó com perseverança de Cafu.